Translate

quarta-feira, 26 de junho de 2013

HOMEM DE DEUS PELOS FRUTOS OU PELOS DONS?




Preste muito atenção nisso: Pregar, qualquer tolo pode pregar, hoje existe escola de treinamento em retórica e técnicas para atrair atenção do público.  
Não se define um homem de Deus pelo conteúdo de suas mensagens, é preciso convivência para chamar alguém de homem de Deus.


Quando alguém me ouve pregar e diz este é homem de Deus, ecoa uma pergunta:

Você esteve com minha esposa? Conversou com minha família? Perguntou a minha sogra?

Definimos mal pregadores e pregação.


Um erro na pregação de hoje: “Pregar é aconselhamento pessoal com base em grupos”. Frase dita por Fosdick

Instados pelos devotos da “pregação baseada nas necessidades”, muitos evangélicos abandonam o texto sem reconhecer que fazem isso.

"Esses pregadores podem ocasionalmente recorrer ao texto no decorrer do sermão mas o texto não estabelece os assuntos nem a forma da mensagem." R. Albert Mohler Jr 


As igrejas de Londres tinham ministros que foram precursores dos pregadores modernos que se baseiam nas necessidades sentidas.


Spurgeon — que se esforçou por atrair ouvintes, apesar de sua insistência na pregação bíblica — confessou: “O verdadeiro embaixador de Cristo sente que ele mesmo está diante de Deus e tem de lidar com as almas como servo de Deus, em lugar dele, e que ocupa uma posição solene — nesta posição, a infidelidade é desumanidade e traição para com Deus”.


Spurgeon e Baxter entendiam o perigoso mandato do pregador e, por isso, foram impelidos à Bíblia para usá-la como sua única autoridade e mensagem. Deixavam seus púlpitos tremendo, sentindo interesse urgente pela alma de seus ouvintes e totalmente cônscios de que tinham de prestar contas a Deus pela pregação de sua Palavra, tão-somente de sua Palavra. Os sermões deles foram medidos por poder, os de Fosdick, por popularidade. 

R. Albert Mohler Jr.


O debate atual sobre a pregação pode abalar congregações, denominações e o movimento evangélico. Mas reconheça isto: a restauração e renovação da igreja nesta geração virá somente quando, em cada púlpito, o ministro pregar com a certeza de que jamais pregará novamente e como um moribundo que prega a pessoas moribundas.

R. Albert Mohler Jr.


"Pregadores que evitam falar sobre pecado são tão éticos e corretos quanto um médico que não fala a seu paciente que ele está morrendo." Paul Washer

"É melhor um púlpito vazio do que um vazio no púlpito" Pr. Albertino

Pr. Neemias Fagundes

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Meus blogs prediletos

Loading...